segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Fora de época e de noção

Destaques dançam em trio elétrico durante parada gay em São Luís


Era só o que faltava. Não bastasse a realização de uma única Parada Gay em São Luís – realizada anualmente na avenida Litorânea –, a onda agora aqui na capital maranhense é a “parada gay fora de época”. Espécie de micareta GLBT (gays, lésbicas, bissexuais, travestis e transexuais), a folia tornou-se agora setorizada por áreas e municípios da Ilha. Grandes bairros como Cohab e Maiobão já têm a sua. O município de São José de Ribamar (cerca de 20km da capital), conhecido por sua badalada romaria ao santo que dá nome à cidade, também já aderiu. Do jeito que vai, a tendência é cada bairro ter a sua parada, com direito a competição inter-bairros para saber qual a mais espalhafatosa.

Tenho valores cristãos e, graças a isso, busco imitar a Cristo no quesito amor ao próximo. Como todo mundo, tenho os meus deslizes nesse item, mas nada que dure muito tempo. Ao invés de atirar pedras contra o meu próximo, procuro lançar flechas polidas de oração e amor. Não consigo, por Cristo, alimentar em mim sentimentos negativos por quem quer que seja – ainda que esse alguém se esforce para tanto. Digo isso para que leitores que se considerem enquadrados na sigla GLBT não pensem que os acuso [o acusador, biblicamente falando, tem nome, mas não chifres e pé de cabra como alguns imaginam] de alguma coisa ou que tenho algum sentimento de raiva contra eles. Amo-os em Cristo e costumo conviver bem com pessoas que pensam diferente de mim. 

A saber: tenho amigos gays e mantemos o respeito mútuo. Mas, daí a conter a minha língua de criticar a proliferação de paradas gays fora de época seria um pouco demais para a minha incontida necessidade de me manifestar em favor daquilo que eu acredito. Ora, se os GLBT podem se manifestar abertamente em suas paradas, atropelando, muitas vezes, o direto de muitos de se incomodar com comportamentos e indumentárias [algumas extremamente apelativas e de mau gosto], por que eu não posso dizer o que penso sem ser taxado disso ou daquilo outro? Por que não devo abrir o verbo para dizer que a sociedade não é obrigada a se curvar diante da imposição de um grupo que, por se achar discriminado, apela para ataques verbais aos cristãos e à defesa de atitudes contrárias a padrões que se enquadrem aos valores relatados nas Sagradas Escrituras?

Por essas e outras, assumo, sem pudores ou medo de chocar algum leitor, que sou heterossexual, conforme a natureza de todos da espécie humana, haja vista que somos seres criados para crescer e multiplicar, e isso não é possível [naturalmente falando] a não ser pelo acasalamento entre indivíduos do sexo oposto. Fora desse fato, biologicamente incontestável, trata-se de uma opção extra-natural, que nada tem a ver com genética ou outro caminho científico relacionado à existência do homem. Cito Romanos 1:26,27 – “Pelo que Deus os abandonou às paixões infames. Porque até as suas mulheres mudaram o uso natural, no contrário à natureza. E, semelhantemente, também os varões, deixando o uso natural da mulher, se inflamaram em sua sensualidade uns para com os outros, homem com homem, cometendo torpeza e recebendo em si mesmos a recompensa que convinha ao seu erro”.

Por diferentes razões – entre elas familiares; influência do mundo; traumas de infâncias; abusos sofridos; imposições sociais; ou mera opção comportamental, etc ­– certas pessoas escolhem trilhar caminhos que destoam da sua natureza e não aceitam a possibilidade de ser feliz de outra forma. É uma escolha.

Imaginemos o seguinte: e se milhares de heterossexuais decidissem sair às ruas numa grande parada em defesa da liberdade de opinião e contra o preconceito àqueles que seguem à sua natureza original, mas que agora são vistos como caretas, religiosos e homofóbicos? Correríamos o risco, talvez, de sermos apedrejados, achincalhados, julgados e condenados. Aliás, depois desse texto, receio receber olhares de metralhadora ou mesmo ser hostilizado na rua por ser hétero assumido e acreditar no projeto original da raça humana, ou seja, na perfeita compatibilidade entre homem e mulher, na geração de filhos por meio da união matrimonial, na alegria dos valores familiares, enfim...

Em tempos de paradas gays e micaretas GLBT, incomoda-me a banalização, cada vez mais em voga, do desvio de conduta em todos os sentidos. E, assim, a humanidade segue seu caminho na eterna luta – ao menos nesse mundo ­– da carne contra o espírito (Gálatas 5:17). Como nos disse o Mestre dos Mestres: “Orai e vigiai, para que não entreis em tentação. O espírito, na verdade, está pronto, mas a carne é fraca (Mateus 14:38)”. Concluo bradando: Abaixo a heterofobia! E viva a revolução em Cristo!  

12 comentários:

disse...

E melhor vc procurar um esconderijo anti- aéreo lá vem pedradas kkkkkk
Mas é brincadeira né? como um homem se sujeita a sair encima de um trio elétrico vestido deste jeito?? Só inimigo mesmo que faz com que o homem perca a vergonha e a moral, pois não é normal uma coisa desta. O inimigo quer acabar com o homem pois o mesmo é a imagem e semelhança de Deus, ele quer bagunçar com homem, ele odeia o homem. Paz!

Selma Lobo disse...

Que canseira que isso está dando!
Caramba, quero ter o direito de defender o heterossexualismo sem sofrer nenhum preconceito!
Proponho uma marcha pelos heterossexuais!!

disse...

Vamos lá eu topo!!

Clovis Cabalau disse...

Eu também!

Alberto Couto Filho disse...

Olá amado pastor

Se a Rô topa; se o amado topa: eu tô nessa!
Oi Selma - quando será a marcha?
Será aqui no Rio, ai em Brasília ou lá no Maranhão?
Bem vindo, à Terra, homem de Deus
Seu conservo

Clovis Cabalau disse...

Essa parada vai ser tremenda. Amada Couto, estava sumidão mesmo, mas sempre vigilante. Às vezes damos uma parada para respirar e, depois, "caímos dentro" da briga de novo. Vistes no blog o livro que estou lendo? Recomendo a todos os pensantes.

Selma Lobo disse...

Gente é sério mesmo, meu pastor Fadi Faraj, aqui da Comunidade Cristã Ministerio da Fé , em Brasilia, já até cogitou esta proposta, é hora de reagirmos,marcharmos pela familia e pela heterossexualidade. A mesma lei que os homossexuais usam para se defender, defende também a expressão religiosa livre, ora sendo assim como podem querer impor o casamento homossexual por exemplo, com pena de lei para o pastor ou o padre que não o fizer?
Quero ter o direito de optar pelo heterossexualismo sem ofender o homossexual e sem ter que concordar com ele, posso ter que aceitar, mas não concordo!

disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
disse...

Clovis também estou lendo o livro dele. Ganhei de presente, é bom demais o livro do irmão Alberto. Paz!

Brena disse...

Apesar de ser uma adolescente, tambem quero participar. Temos que ser jovens revolucionários!Pena que convivo com essa fatalidade em minha própria casa. Oro cada vez mais pelo meu irmão(ele está nesse caminho) e sei que Deus me dará a vitória pois, o choro pode durar uma noite... mas a alegria vem pelo amanhecer! A Paz!

Clovis Cabalau disse...

Querida Brena, não diga que isso é uma fatalidade, porque o Senhor é poderoso para reverter qualquer situação; Acaso, para o Senhor há coisa demasiadamente difícil? (Gêneses 18:13). Conta comigo nessa luta e não desista em oração. Fica na paz.

Brena disse...

É verdade pastor...resta-me orar. Já chorei muito por isso, só eu sei o quanto eu sofri, pois dos irmãos, éramos os mais unidos e eu fui a única pessoa que ele teve coragem de falar. Fiquei sem saber o que fazer. Orarei intensamente por isso!

Postar um comentário