domingo, 26 de setembro de 2010

A alma do negócio está em alta no meio evangélico e...


...chega a ser cômico a atitude de certos líderes religiosos e pregadores que usam de jogada de marketing para se auto-promover, usando, claro, a máscara de “homens de Deus propagando o Evangelho”. Seria como dizer que Jesus precisa de propaganda para que vidas sejam alcançadas por Ele, ou que uma forcinha publicitária é sempre bem-vinda em nome “do Reino”.

Um exemplo que me deixa com a pulga atrás da orelha: pregador itinerante, que percorre o país com sermões pré-fabricados, cartazes e DVDs embaixo do braço, negociando seus shows de fogo (estranho). Fui testemunha ocular de um certo pastor dessa linha, que ao final do culto, depois de “ministrar” piadinhas acompanhadas de trejeitos teatrais durante meia-hora, se posicionou na saída para vender seus produtos sem o menor constrangimento. “Não esqueçam de fazer a feira”, bradava para os irmãos que saíam e, ao mesmo tempo, eram constrangidos a levar um de seus DVDs “ungidos”.

Não pensem que estou pondo no mesmo saco todos os pregadores itinerantes. Não é isso. Apenas chamo a atenção dos crentes pensantes para que avaliem a postura dessas pessoas. É pelo fruto que se conhece a árvore. Acho estranho, por exemplo, líderes sem igreja ou que se auto-proclamam profetas com certo ar de soberba; pastores sem cobertura espiritual; ou pregadores que mais parecem comediantes do tipo stand-up.

Certa vez, um irmão relatou-me ter sido testemunha de um episódio protagonizado por um pregador que, ao fim da mensagem, “profetizou”: “Deus está me revelando que as 40 primeiras pessoas que comprarem o meu DVD vão receber uma bênção especial”. Fala sério?!

Noutra situação tive o desprazer de testemunhar um pastor “brincar”, ao ser convidado para orar pelos dízimos e pelas ofertas, pedindo que os irmãos ficassem de pé e que “dessa forma ficava mais fácil de tirar a carteira do bolso”. Brincadeira ou não, foi de péssimo gosto, do tipo que incentiva qualquer descrente a sair da igreja e nunca mais voltar. Na mesma linha, vi (ninguém me contou) um certo pregador famoso (e adepto de suspensórios) pronunciar, durante um grande evento a céu aberto, a seguinte pérola: “E aí, gostaram? Pois aqui é como num restaurante, primeiro a gente se alimenta, depois tem de pagar a conta”.

Meu pastor conta como sendo história verídica o caso de uma igreja que afixou na porta o seguinte cartaz: “Aqui o dízimo é só 7%”. E aqueles anúncios que dão ordens a Deus? Esses são ótimos: “A cruzada vai ser do fogo: Deus vai curar, Deus vai operar, Deus vai abençoar, Deus vai fazer isso e aquilo outro”... Só faltam dizer “...e aí Dele se não fizer o que eu estou dizendo para Ele fazer”.

Em meio à onda de marketing que vem impregnando o Evangelho país afora, oro pela preservação da Palavra pura e simples; pelo fortalecimento de igrejas sérias e comprometidas com a verdade de Jesus; por pregadores que não se vendam aos apelos de Mamon; por missionários genuínos (e louvo a Deus porque há muitos espalhados pelo mundo), cheios da graça, incorruptíveis, firmados na Rocha Eterna. Vibro quando vejo um pregador falar com humildade e graça, cristrocentrando seu sermão na mensagem da cruz, do sangue, da graça, do arrependimento, da mudança, da salvação em Jesus.

Logo, a meu ver, propaganda e Evangelho têm pontos que muito se distanciam. A primeira é a alma do negócio. O segundo, jamais pode ser encarado como um negócio. A primeira existe para estimular o consumo, com apelos de imagem e mensagens sugestivas. O segundo, não nasceu para ser consumido, mas vivido, sendo o eixo principal das igrejas (como organismos e não como organizações) que remam contra a maré deste mundo. Amém.

8 comentários:

Alberto Couto Filho disse...

Abençoamado Pastor Clovis,
Além das “maravilhas” citadas neste seu magnífico espaço, há algo mais a nos preocupar como igreja de Cristo.
Lembra-se da obra de Sammy Tippit "CORAÇÃO ARDENTE", cuja apresentação é assinada por John Macarthur Jr? O apresentador daquela excelente obra adverte-nos sobre a resistência que devemos opor a duas tendências extremamente perigosas, em nossas igrejas:
A primeira é que não devemos pensar que o emocionalismo e o sensacionalismo que tanto verificamos no cristianismo CONTEMPORÂNEO signifiquem o verdadeiro re-avivamento. O Crente Pensante está atento a esta perigosa tendência.
Em segundo lugar, o autor diz que não devemos cair na indiferença, pensando que servir ao Senhor significa uma experiência agradável ou cômoda. O Crente Pensante está nos chamando a intervir, em meio a tantas baboseiras.
E o que isso tem a ver com esta excelente mensagem?
O livro ao qual me reportei estava, à época, em sua 4ª edição em 1996 e foi utilizado no meu Seminário, na matéria “Teologia da Oração”, em 2007. O “report” ao cristianismo CONTEMPORÂNEO se deu há 14 anos, portanto, no século passado. Estou, por esta razão, ficando mais preocupado ainda.
Veja algumas notícias que o CONTEMPORÂNEO faz chegar até nós:

Alberto Couto Filho disse...

>O falecimento da “Reunião de Oração”, publicado em blog dos mais respeitáveis da nossa blogosfera (?);
>O contemporâneo me faz ver uma campanha de ofertas voluntárias que determinada igreja está realizando, com o propósito de negociar bênçãos de Deus, a taxas abaixo do mercado, como se fora uma instituição de crédito (?);
>O contemporâneo me mostrou, ainda há pouco, líderes, bispos evangélicos sendo presos por transportarem dinheiro para o exterior, dentro da Bíblia Sagrada (?);
>Vimos um profeta estrangeiro (Dr ?), um finório apoiado por um dos nossos líderes evangélicos, tentando nos fazer entender que Deus é representado pelo nº 9 (?);
>Vimos outro velhaco sicofanta (Dr ?) dizendo que Jesus, o primeiro homem a ter visão global, operava um negócio tão rentável que contratou 12 administradores para gerir seus negócios(?);
>Estarrecidos, vimos um falso líder, um outro bispo “encapetado”, dizendo-se, ainda, evangélico, consagrar, publicamente o aborto como instrumento de controle da natalidade(?);
>Estamos vendo Igrejas episcopais escocesas, discutindo sobre a possibilidade de Deus ser ou ter sido um hermafrodita. O pior é que tem um bispo evangélico aliado ao matreiro reverendo Moon, aceitando esta e outras aberrações (???);
>Falam-se de tripés aqui, tripés lá e acolá, exus boiadeiros, valendo-se das táticas de Sun Tzu (Arte da Guerra) em transações comerciais orientadas por Deus, para vender DVDS (?) ... e vai por ai.
>Estamos vendo o cristianismo da cruz em seus últimos estertores, sendo trocado pelos cifrões (?);
Associei estas ocorrências contemporâneas ao contexto da sua reveladora postagem e fiquei sem resposta a uma pergunta simples. Estes fatos indicam o Princípio ou já são as Dores preconizadas pelas Escrituras?
Precisamos estar preocupados, vigiando e orando.
Firmemo-nos, mais ainda, na Rocha que é Jesus
Seu conservo, em Cristo
Alberto Couto Filho

Clovis Cabalau disse...

Amado, Alberto,
Se é o princípio do fim, não sei. Mas, tento viver os dias sabendo que pode ser o último, pois Jesus nos ensinou que não saberemos o dia da Sua volta. E em Tiago aprendemos que não sabemos sobre o amanhã, pois nossa vida é como o vapor. Conforta-me saber que são muitos (e isso lhe inclui, obviamente) a estar incomodado com tantas aberrações e ivencionices que andam a desviar olhares da verdade de Cristo. Como sempre, os seus comentários enriquecem o Crente Pensante e abençoam os leitores mais atentos.

Selma Lobo disse...

Clóvis, já vi muito disto, "a palavra" ministrada e o DVD a seguir vendido, exposto, comercializado. Eu ando tão enjoada disto tudo, perigosamente enjoada disto tudo, tem hora que me sinto exausta de tanta hipocrisia, por onde anda Jesus, aquele cuja palavra deveria ser "pregada nos telhados"?
As palavras "reveladas" cheias de auto-ajuda me levam a um status melhor, mas tenho certeza que este não é o caminho do céu.
abçs

Clovis Cabalau disse...

Cara Selma, nunca podemos esquecer que a igreja (organismo) somos nós. Logo, não podemos deixar que esses episódios nos tire o do propósito de fazer a diferença como membros do Corpo de Cristo. Sigamos firmes, olhando para Jesus, autor e consumador da nossa fé.

Brena disse...

Gosto muito de ler os comentários do senhor Alberto Couto Filho, são muito enriquecedores.E o que ele está falando, é a pura verdade! Abraços

Alberto Couto Filho disse...

Olá Brena
A paz

Grato pelas considerações a respeito dos meus comentários. Você, agora, precisa fazer três coisas:
1 - acessar o Blog do Alberto - seguir e comentar;
2 - adquirir o livro que lançei por estes dias;
3 - prosseguir seguindo o Crente Pensante

Desta forma, você estará demonstrando que é, realmente, uma pessoa de extremo bom gosto rsrsrs
Eta jactância benigna!!
Eu sou assim
Seu conservo
Alberto Couto Filho

Brena disse...

Rsrsrsrsrsr. Será um prazer acessar o seu blog! A Paz

Postar um comentário