terça-feira, 6 de abril de 2010

McLanche Infeliz

Extraí a declaração abaixo de uma entrevista publicada na revista “Super Interessante” deste mês:

“Meu trabalho é garantir que existam opções para que as pessoas decidam por si próprias. Agora, se tiver de escolher entre criar uma comida gostosa ou saudável, o sabor será sempre a prioridade".

Não, a frase não é de um pastor da famigerada teologia da prosperidade, mas, coincidentemente, soa como se fosse. A declaração é do americano Daniel Coudreaut, homem de frente da cozinha do McDonald’s e responsável por criar as receitas que deliciam multidões de clientes da maior rede de fast food do mundo. Na entrevista, Coudreout é perguntado sobre os métodos que ele utiliza para driblar as críticas dos defensores da alimentação saudável e, assim, continuar atraindo mais e mais famintos das delícias do McDonald’s.

Pensei cá com meus botões: McDonald’s e teologia da prosperidade tem tudo a ver. A diferença básica é que os criadores do fast food gospel não têm a sinceridade do “mago” da rede de lanchonetes. Entre oferecer uma comida gostosa ou saudável, os vendilhões “prósperos”, sem dúvida, escolhem a primeira opção – sempre com algum “respaldo bíblico" na manga, para justificar o engodo. Afinal, a satisfação do cliente é norma da casa, tudo “em nome” do Senhor, claro.

E do outro lado do balcão, uma nova categoria de crente se acotovela por mais uma apetitosa novidade. Depois do “crente Raimundo” [um pé da igreja outro no mundo], do “crente seis horas” [cês ora por mim] e de outros por aí, proponho o credenciamento no clube dos crentes cara-pau da categoria “crente McDonald’s”. São aqueles que vão à igreja em busca de comida gostosa e rápida [mas que, às vezes, pode sair cara].

No rol das igrejas em franco crescimento, eis que emerge das profundezas a “Igreja McDonald’s do Milagre da Prosperidade” - IMMP. Evangelho a gosto do cliente. Ideal para jovens sem compromisso e ávidos por uma bela oferta do dia. Para as crianças, a opção de adquirir um bonequinho da moda dentro do pacote do McLanche Feliz.

Tal e qual a estratégica do gourmet do McDonald’s, o segredo da IMMP é a busca constante por inovações. Dessa forma, anula-se o risco de perder clientes - quer dizer, membros –, e segue-se a cativar novos adeptos, fadados ao engano e ao perigo de morte por colesterol alto. Afinal, a prioridade não é o alimento saudável, mas a comida apetitosa, com direito a batata-frita grande e uma coca-cola bem gelada.

Vai um “Big Mac santo” aí?

5 comentários:

Wilson Parpinelli disse...

Olá Missionário Clóvis,
Parabéns pelo Blog. É um belo trabalho que está realizando aqui. Já estou seguindo!

Quero aproveitar pra lhe convidar a visitar e também seguir meu blog. Será uma honra tê-la como leitora. Seus comentários também serão sempre muito bem-vindos.

Visite: www.teologiainteligente.blogspot.com

Juntos seremos mais eficazes na proclamação do Evangelho de Cristo !!!
Te espero lá...
Graça e Paz !!!

Maicon disse...

Bom ver pessoas que defendem a verdade!

Conheça meu material também

http://cristianismopensante.wordpress.com/

Abraço

Marisete disse...

Você é hilário...rss...Que Deus nos abençoe!!!

Davi disse...

Esse Mc Lanche ai gera uma má digestão... esse ai num quero comer de jeito nenhum! Me livra Senhor das tentações da "gula"!

Brena disse...

Assisti um documentário sobre o McDonald's, e vi cada absurdo. A obesidade nos Estados Unidos vai superar a morte por cigarros, ou seja, a influência do McDonal's está cada vez mais abrangente. Já ocorreu de várias famílias processarem a empresa, pelo fato de algum parente está obeso, ou a própria pessoa. Muito bom essa postagem!

Postar um comentário