segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

Você já se comparou com Jesus?


Já notou como o nosso pecado é sempre menor do que o pecado do próximo? Quando a ‘batata esquenta’ na casa do vizinho, fica cômodo criticar, não é verdade? Via de regra, temos o péssimo hábito de nos comparar com os outros na intenção de parecermos melhores do que realmente somos. Afinal, detectar falhas em alguém serve para realçar as nossas supostas qualidades.

Buscar virtudes em mim ante os defeitos do meu irmão é sempre fácil. Desafiador é ter coragem de me comparar com Jesus. É que diante do meu próximo eu até consigo exaltar – ou seria forjar? – as minhas qualidades, mas comparar-me a Jesus é ter, inevitavelmente, meus defeitos escancarados. Senti que deveria fazê-lo.

Enquanto pregava no culto do domingo passado, pela manhã, na Comunidade Vida, compartilhei com a igreja a experiência de me comparar com Jesus. A mensagem estava alicerçada no texto de 1Co 11:1 e uma das perguntas que fiz a mim aos irmãos presentes foi: “Será que nós teríamos a firmeza do apóstolo Paulo para dizer às pessoas “sedes meus imitadores como eu sou Cristo”? Arrematei com outra pergunta: “Será que alguém que imite a mim estará em compasso com os ensinamentos de Jesus?

Ao comparar-me com Jesus, constatei que a minha coragem para pregar o evangelho está a anos luz da coragem de Cristo. Olhei para Ele e vi que minha fé não chega ao tamanho de um grão de mostarda, pois a Bíblia diz que “Se tiverdes fé do tamanho de um grão de mostarda direis a esse monte: Passa daqui para acolá – e há de passar; e nada vos será impossível” [MT 17:20]. Conclui também que minha capacidade de perdoar ainda é extremamente carnal e egoísta. Vi que meu amor ao próximo não chega nem aos pés do amor Daquele que entregou sua vida por mim na cruz do Calvário.

Comparar-me com Jesus foi constrangedor. Mas, pude concluir duas verdades práticas: a primeira me diz que me comparar ao meu próximo pode ser uma grande perda de tempo quando utilizo a comparação apenas para me ensoberbecer nas minhas supostas qualidades; a segunda me mostra que me comparar a Jesus é um exercício de confronto com minha postura de servo e meu caráter cristão.

Que possamos ser, como Paulo, um autêntico e ousado imitador de Cristo.

3 comentários:

Mauricéia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Mauricéia disse...

Realmente, meu irmão, o seu texto é bastante reflexivo e muito significativo,principalmente,quando o tema é: "Você já se comparou com Jesus?" Quando queremos nos comparar com Jesus,que é o nosso líder e mestre por excelência, temos que ser criteriosos.Primeiramente,lembremos aqui,que Jesus foi eminentemente humilde e manso de coração! Comparar-se a Jesus significa torná-lo GRANDE e nós mesmos PEQUENOS!! É andar como Ele andou, é ser líder como Ele foi,é AMAR como Ele amou, enfim é deixar a soberba, o orgulho e a altivez mortos,é MORRER PARA O PECADO, é viver em consonância com o que se prega, não é mesmo? Até porque o Apóstolo Paulo deu exemplo , quando disse:"Não sou mais eu quem vivo, mas Cristo é quem vive em mim!" Não adiantaria, de forma alguma, se o apóstolo houvesse apenas falado, contudo seu estilo de vida fosse diferente, se sua práxis fosse contrária. "A árvore é conhecida pelo fruto que produz!" Quando se vive de maneira incompatível com o que se fala, os frutos são podres, de mal cheiro e, além disso, logo jogados fora! Nesta ótica, há implícita uma comparação,entre o bom fruto e o mal fruto, mas uma comparação que não é depreciativa e nem julgadora, mas uma crítica benéfica, que propicia o crescimento, o fortalecimento do cristão, revelando, destarte, que o fruto bom deve ser observado, por ser saboroso, pelo seu frescor e, principalmente, por ser aproveitado!
Não devemos de forma alguma andar por aí julgando as pessoas,falando mal delas, inventando histórias,enfim caluniando-as e muito menos compará-las para se sair como cordeiros,a estes, Jesus os chama de "sepulcros caiados", que dão Glórias a Deus, mas são lobos devoradores! Não devemos julgar as pessoas, mas podemos sim julgar a prática de JUSTIÇA por elas praticadas. Ficarmos até indignados com determinadas atitudes e posturas que não condizem com as de um discípulo!
Realmente, irmão se formos olhar para as atitudes de Jesus, entenderíamos bem quando ele diz:"Nem todo aquele que diz Senhor, Senhor, entrará no Reino dos Céus!". Destes, Ele mesmo fará o julgamento, e estes, não ficarão às escondidas, porque naquele Grande e Glorioso Dia, o próprio mestre separará o joio do trigo! O nosso papel aqui é sermos verdadeiramente e de coração imitadores dEle ,que soube construir relacionamentos saudáveis significativos e comprometidos, trazendo os de "fora" para o Reino da sua Justiça! Olhando para ele, comparando-se com Ele, quem por ventura ousa julgar? Mas, não é por isto que se vai praticando coisas erradas, achando que se pode sair fazendo TUDO,usando até o nome de Jesus para seu próprio benefício e deleite,possibilitando que pessoas sofram, que falem de sua moral, ou coisas afins. Quando nos comparamos a Jesus, queremos viver um Evangelho autêntico, percebemos que: "Tudo posso, mas nem tudo me convém!"
Um grande abraço meu amigo! Que Deus continue o abençoando com este dom maravilhoso de ser,que é notório pelos irmãos:o AMOR, MANSIDÃO e BENEVOLÊNCIA que dedicas a todos indistintamente!
Longe de mim julgamentos pré-concebidos ,mas quero lhe dizer que um líder, seja ele qual for,tendo sido escolhido por Deus para exercer um ministério, deve amar a causa de Jesus,andar em santidade de vida e fazendo o bem,assim como andas, meu irmão Clóvis!

OBS; Visite o meu blog que trata sobre o tema: Quando a gente ama é claro que a gente cuida!!!
Sentir-me-ei honrada com o teu comentário, amado irmão.(http://www.mauriceialima.blogspot.com
Um abraço desta humilde serva de Jesus.

Sra Suplementos disse...

Muito linda a msn Clóvis, q Deus continue te usando...

Postar um comentário