quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

Por que não Jesus?



“Se Jesus é a verdade, por que tantas pessoas o rejeitam? Se o cristianismo é verdadeiro, não deveria finalmente triunfar? Todavia, não é isso o que mostram as estatísticas. O cristianismo está fazendo relativamente pouco progresso no sentido de conquistar adeptos de outras grandes religiões mundiais”.

As idagações acima são do jornalista ex-ateu Lee Strobel em seu livro “Em Defesa da Fé” e mostram uma realidade global. O cristianismo ainda é a maior religião do mundo. No entanto, recentemente o Papa Bento VXI teria admitido que o número de católicos no mundo foi superado pelo de mulçumanos, que continuam em franco crescimento. O budismo e o hinduísmo têm se popularizado em países como os Estados Unidos e o nosso [novelesco] Brasil. Afinal, por que a verdade de Cristo ainda é tão rejeitada pelas pessoas?

Entendo da seguinte forma: na contra-mão da Bíblia, alguns sistemas religiosos tentam convencer as pessoas de que elas devem buscar em si mesmas as respostas e que na busca do autoconhecimento pode estar a chave do tesouro. Cristo, por sua vez, nos desafia a morrer para nós mesmos [Jo 3;1-8; 2Co 5:17], nos confronta no nosso pecado e nos chama ao compromisso. Diante desse cardápio pouco atrativo, muitos preferem continuar na busca pela auto-suficiência, pelo compromisso consigo mesmo, não com Deus, muito menos com o próximo. Para alguns, Jesus agride a autonomia do ser humano. Mas, na verdade, o que Ele deseja é nos libertar da solidão da ausência de Deus. Ele não apenas nos leva à presença do Pai, mas muda nossa vida e nossa maneira de perceber a nós mesmos.

Tudo bem, o discurso do cristianismo pode até não ser o mais vendável – como diriam os profissionais do marketing –, mas quem disse que a verdade não dói? Infelizmente, a mentira é vendida em recipientes coloridos, com slogans criativos e promessa de soluções rápidas. Consumidores não faltam. Homens adoram uma “bença”.

1 comentários:

José Eduardo da Silva disse...

Graça, paz e sáude da parte de Deus Clovis, prazer em conhece-lo pela rede. Concordo com suas colocações neste post, nos dois pontos aqui abordado. 1) De que de fato o cristianismo tem sido pouco convincente segundo Lee Strobel; 2)Sistemas religiosos buscam trazer respostas as pessoas em si mesmos, haja vistas os jargões qu tanto ouvimos - pare de sofrer, venha para cá ou para a colá.

Penso que isto exprime duas verdades Bíblicas. 1) Ela não afirma que o cristinismo seria grande ou cresceria mais do que outra religião, mas que a palvra de Deus seria anunciada e seria conhecida em proporção global, sem que ela fosse ao menos aceitável pelos ouvintes; 2) Se possível até os escolhidos seriam enganados, como sabemos que não serã, aqueles que não receberam a palavra, esses serão, e serã agentes tanto fora do corpo para impedirem a fé, como até dentro do corpo, como pseudoprofetas para que como os fariseus não entrem no Reino dos céus e nem deixe os outros entrarem. Esta segunda verdade Bíblica foi muito bem simplificada pela sua última colocação. Uma mentira em recipientes coloridos está sendo apresentada permanentemente, pra quem gosta é um prato cheio.

Estarei acompanhando suas postagens, quando puder visite meu blog também http://feitosparapensar.blogspot.com/ fique com Deus

Postar um comentário